quarta-feira, 14 de maio de 2014

13 - Os Filhos de Israel - Parte 5



Moisés

Quando este cruel decreto estava na sua maior força, nasceu Moisés. Sua mãe o ocultou enquanto podia ter alguma segurança, e então preparou um pequeno cesto de junco, vedando-o com piche, para que nenhuma água entrasse na pequena arca, e colocou-o na água junto à margem enquanto sua irmã ficou ali por perto com aparente indiferença. Vigiava ansiosamente para ver o que aconteceria a seu irmãozinho. Os anjos também vigiavam, para que nenhum dano ocorresse à indefesa criança, ali colocada por uma amorosa mãe e confiada ao cuidado de Deus por suas ferventes orações entremeadas de lágrimas. 

    E esses anjos guiaram os passos da filha de Faraó para o rio, bem perto de onde fora deixado o pequeno e inocente desconhecido. Sua atenção foi atraída para o pequeno e estranho cesto e ela mandou que    uma de suas criadas fosse buscá-lo. Quando removeu a tampa do pequeno cesto singularmente construído, viu um lindo bebê, "e eis que o menino chorava; e moveu-se de compaixão dele". Êxodo 2:6. Sabia que uma terna mãe hebréia tinha seguido este método peculiar para preservar a vida de seu bem-amado bebê, e decidiu de uma vez que ele seria seu filho. A irmã de Moisés imediatamente veio em sua direção e perguntou: "Irei eu a chamar uma ama das hebréias, que crie este menino para ti? E a filha de Faraó disse-lhe: Vai." Êxodo 2:7-8. 

    Alegremente correu a irmã à sua mãe e relatou-lhe as felizes novas e, conduzindo-a a toda pressa à filha de Faraó, que entregou a criança à mãe para criá-la, sendo liberalmente paga para criar seu próprio filho. Com gratidão essa mãe deu início a sua tarefa, agora feliz e segura. Ela cria que Deus tinha preservado a vida de seu filho. Fielmente aproveitou a preciosa oportunidade de educá-lo com respeito a uma vida de utilidade. Era mais específica em sua instrução do que na dos outros filhos; pois tinha confiança que fora preservado para alguma grande obra. Por meio de fiéis ensinamentos, ela instilou na sua mente jovem o temor de Deus e o amor pela verdade e justiça.

    Não descansou aqui em seus esforços, mas fervorosamente orou a Deus por seu filho, para que fosse preservado de toda influência corruptora. Ensinou-o a prostrar-se e orar a Deus, o Deus vivo, pois apenas Ele podia ouvi-lo e ajudá-lo em qualquer emergência. Procurou impressionar sua mente com a pecaminosidade da idolatria. Sabia que ele logo seria separado de sua influência e entregue a sua real mãe adotiva, para ser rodeado de influências tendentes    a fazê-lo descrer da existência do Criador dos Céus e da Terra. 

    As instruções recebidas de seus pais foram de molde a fortificar-lhe a mente e protegê-lo de ser exaltado e corrompido pelo pecado, tornando-se soberbo em meio ao esplendor e à extravagância da vida na corte. Possuía mente clara e coração compreensivo, e nunca perdeu as piedosas impressões recebidas na juventude. Sua mãe conservou-o tanto quanto pôde, mas foi obrigada a separar-se dele quando tinha cerca de doze anos, tornando-se ele então o filho da filha de Faraó. 

    Aqui Satanás foi derrotado. Levando Faraó a destruir os meninos, pensava anular o propósito de Deus e aniquilar aquele que Deus suscitaria para libertar Seu povo. Mas esse mesmo decreto, condenando as crianças hebréias à morte, foi o meio usado por Deus para colocar Moisés na família real, onde teria vantagens para tornar-se homem entendido e eminentemente qualificado para tirar do Egito Seu povo. 


    Faraó esperava elevar ao trono seu neto adotivo. Educou-o para estar à frente dos exércitos do Egito e guiá-los nas batalhas. Moisés era o grande favorito dos exércitos de Faraó e honrado porque conduzia a guerra com superior perícia e sabedoria. "E Moisés foi instruído em toda a ciência dos egípcios; e era poderoso em suas palavras e obras." Atos 7:22. Os egípcios consideravam Moisés como personalidade notável. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário